MINAS LIDERAM INSTALAÇÃO DE ENERGIA SOLAR

MINAS LIDERAM INSTALAÇÃO DE ENERGIA SOLAR
by

Consumidores de Minas lideram instalação de energia solar (Folhapress)

Há dois anos e meio o engenheiro mecânico Euler Cruz, 61, não paga conta de energia. Morador de Belo Horizonte, ele foi a primeira pessoa da cidade a instalar uma microusina solar em casa, onde vivem mais três pessoas.

De lá para cá, a capital mineira ganhou mais 92 sistemas parecidos, conhecidos como fotovoltaicos. Com incentivos fiscais às empresas e tarifas altas, Minas se tornou o Estado com maior número de consumidores ligados à rede que geram a própria energia.

Eram 333 até o fim do ano passado, 130 a mais que o Rio, segundo colocado, de acordo com dados da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

“Produzo o dobro de energia que consumo e me tornei independente da Cemig [estatal de energia de Minas]”, afirma Cruz. O sistema custou cerca de R$ 20 mil, e a expectativa dele é que em até cinco anos haja retorno do investimento.

Os sistemas fotovoltaicos são diferentes das placas solares térmicas, mais comuns e usadas para aquecimento de água. A energia gerada durante o dia é descontada do que é consumido à noite. Se sobrar, ainda poderá ser usada em até três anos.

A instalação dos equipamentos é permitida desde 2012 e já provocou insatisfação da associação de distribuidoras, porque a Aneel permite que os consumidores obtenham descontos tanto nas tarifas quanto no encargo de distribuição. Na prática, quem não paga tarifa também não paga encargo.

Para as distribuidoras, se não houver cobrança para as pessoas que geram a própria energia, os consumidores que não têm uma microusina em casa terão que subsidiar quem tem condição de bancá-las. As empresas pleiteiam mudanças na legislação.

PREÇOS

Além de residências, grandes empreendimentos como o Mineirão também geram energia a partir de usinas fotovoltaicas.

Segundo o presidente-executivo da ABSOLAR (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica), Rodrigo Sauaia, além dos incentivos, Minas se destaca na quantidade de usinas por causa do custo da energia.

“Ao redor do país, o retorno de investimento médio em uma microusina é de 6 a 12 anos. Em Minas, devido ao preço, é de 6 a 8.”

O argumento é repetido por empresas que vendem e instalam os sistemas. O equipamento tem garantia de fábrica de 25 anos.

AQUECIMENTO

Minas também foi um Estado pioneiro no uso de placas solares para aquecimento de água, no início dos anos 2000, quando o Brasil enfrentava uma crise energética.

Na época, houve um estímulo da Cemig ao uso das placas para esquentar a água do chuveiro, segundo Antonia Sônia Diniz, coordenadora do Grupo de Estudos em Energia da PUC-MG. Ela afirma que, ainda hoje, o maior sistema de aquecimento solar do Brasil é usado nas piscinas do Minas Tênis Clube.

Share

Deixe uma resposta